Notícias

Projeto Fortalecimento Econômico de Jovens Rurais do Semiárido retoma atividades no município de Bom Conselho

Projeto Fortalecimento Econômico de Jovens Rurais do Semiárido retoma atividades no município de Bom Conselho

A Cáritas Regional Nordeste 2 retomou, no mês de agosto, as atividades do Projeto Fortalecimento Econômico de Jovens Rurais do Semiárido, no município de Bom Conselho, agreste de Pernambuco. Com execução da Cáritas Diocesana de Garanhuns, o projeto atua nas comunidades quilombolas de Barra do Brejo, Amargoso, Angicos e Sitio Flores, atendendo 80 jovens rurais dessas localidades.

O projeto tem como objetivo promover o protagonismo comunitário dos jovens rurais para influenciar no desenvolvimento e implantação de políticas públicas que propiciem a permanência dos jovens no campo, principalmente contribuindo na formação permanente e sistemática de conhecimento. Outro viés importante do projeto é o empoderamento econômico das mulheres, já que o público beneficiado é 80% feminino, algumas são mães de família que dependem financeiramente de familiares ou do companheiro.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, algumas atividades programadas  para o modelo presencial foram reformuladas para o formato remoto, como a apresentação do projeto, aplicação do diagnóstico rápido participativo (DRP), e um encontro sobre o Estatuto da Juventude.

A assessoria técnica, cumprindo todas as medidas de segurança recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Plano de Contingência da Cáritas Brasileira, começou a realizar na última semana as visitas para cadastro dos jovens.  O projeto também prevê a realização de oficinas on-line sobre Protagonismo Juvenil e Liderança, Cidadania, Gênero e Direitos Humanos, além de capacitações para a implementação de projetos produtivos e empreendimentos econômicos solidários. O projeto tem a duração de dois anos, e conta com a parceria da instituição espanhola Manos Unidas.

A ação pretende sensibilizar as juventudes do campo sobre uma problemática muito comum nas áreas rurais do nosso país: o êxodo rural dos jovens para os grandes centros urbanos. Muitas vezes por falta de incentivo e de oportunidades, os jovens trocam as pequenas comunidades do interior pelas cidades médias e grandes, na maioria dos casos sem nenhuma informação, proteção e preparo.

Os dados demográficos sobre a população brasileira demonstram a continuidade do processo migratório campo-cidade, como na década de 70, onde a população rural do Brasil tinha aproximadamente 41 milhões de habitantes (44,1%), e em 2010, atingiu a marca de 29,8 milhões de habitantes (15,63%).

“Os jovens estão ansiosos para realizarem as atividades, além de estarem otimistas com a possibilidade de terem seu projeto produtivo colocado em prática, gerando uma renda própria para eles e suas famílias, e diminuindo assim a possibilidade de irem buscar algo fora de suas comunidades. É um processo de formativo que colabora para a emancipação econômica e social dessa nossa juventude rural”, reforça Williana Alves, supervisora de campo da Cáritas Diocesana de Garanhuns, responsável pelo acompanhamento dos jovens neste projeto.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *