Notícias

Equipe de Migração e Refúgio da CBNE2 conhece experiência com waraos no estado da Paraíba

Equipe de Migração e Refúgio da CBNE2 conhece experiência com waraos no estado da Paraíba

Os agentes conheceram quatro sedes, que abrigam ao todo 250 indígenas Waraos

Fomentar a defesa e promoção da vida para a sociedade do Bem Viver, e promover o protagonismo das pessoas em situação de exclusão e vulnerabilidade social, são algumas das diretrizes gerais que norteiam as ações da rede Cáritas no Regional NE2.

Neste sentido, a equipe do Programa de Migração e Refúgio da CBNE2, e agentes da Cáritas Arquidiocesana de Olinda e Recife respeitando todos os protocolos de higiene, e distanciamento social indicados pela Organização Mundial de Saúde e o Plano de Contingência da Cáritas Brasileira visitaram a Ação Social Arquidiocesana (ASA), entidade membro do NE2 , localizada  no estado da Paraíba,  que atua com pessoas em situação de vulnerabilidade e exclusão social, dentre elas migrantes e refugiados venezuelanos.

Os agentes conheceram as quatro sedes que abrigam ao todo 250 indígenas waraos na capital João Pessoa. O momento, além de conhecer a ação de acolhida realizada pela ASA , também trouxe a perspectiva  de  possibilidades na linha da Economia Solidária e empreendedorismo para os venezuelanos,semelhante a experiência no estado de Pernambuco, através dos  projetos Creciendo e Rede  Amor Fraternidade Amizade – RAFA.

A coordenadora do Programa de Migração e Refúgio da Cáritas Brasileira NE2, Luciana Florêncio, destacou a importância da visita, “proporcionou um conhecimento maior do trabalho da entidade membro e agregou aos projetos com iniciativas emergenciais, mas também, fortaleceu perspectivas nas ações da Economia Solidária para esse público”, conclui.

A ação da ASA na capital paraibana, além de acolher esses migrantes, e estimular o desenvolvimento de atividades como artesanato, música, entre outros itens culturais, ainda realiza distribuição diária de mais de 3400 refeições às pessoas em situação de vulnerabilidade social que se encontram nas ruas.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *